Dia do Orgasmo: Desvendando o Prazer Feminino 🌟

Dia 31 de julho é o DIA MUNDIAL DO ORGASMO. E, no U+ Festival, não poderíamos deixar de celebrar esse BIG BANG do prazer, que mesmo em pleno 2023, ainda carrega dúvidas, confusões, desinformações e tabus.

Sabe que muitas mulheres ainda não sabem o que é o orgasmo? Algumas acreditam nunca tê-lo sentido, ou pior, não conseguem reconhecer quando o experimentam?

E para desmistificar essa sensação deliciosa nesse dia comemorativo, nada melhor do que começar com uma boa explicação:

O orgasmo pode ser considerado o momento de conclusão do ciclo de resposta sexual, ou seja, o ápice do prazer sexual. Importante ressaltar que ele dura apenas alguns segundos e pode ser sentido tanto na relação sexual com parceria como na masturbação, podendo ou não estar acompanhado de ejaculação.

Fisiologicamente, durante um orgasmo, ocorre uma resposta mediada pelo sistema nervoso, acompanhada por intensas contrações musculares do assoalho pélvico. Além disso, podem acontecer contrações de outros músculos do corpo, e as pessoas podem experimentar uma sensação de euforia, às vezes acompanhada de vontade de gargalhar ou até mesmo chorar.

Vale mencionar também que durante o orgasmo, liberamos neurotransmissores benéficos ao nosso organismo, como serotonina (que regula o humor), ocitocina (o “hormônio do amor” e do vínculo) e endorfina (que relaxa e diminui dores).

O que pode influenciar o ORGASMO?

O ciclo de resposta sexual, descrito por Masters e Johnson na década de 1960 e aprimorado por Basson nos anos 2000, explica como a resposta sexual acontece em nosso corpo e mente, sendo um processo que envolve interação entre fatores fisiológicos, psicológicos e ambientais, incluindo relações interpessoais, crenças e cultura.

Pesquisas brasileiras, como a realizada pela psiquiatra Carmita Abdo em 2010, mostram que 26,2% das mulheres sofrem de anorgasmia, ou seja, não conseguem atingir orgasmos. Essa disfunção sexual é uma das mais relatadas em consultórios médicos e afeta principalmente mulheres mais jovens e com menos experiência sexual.

As causas da anorgasmia podem variar, incluindo distúrbios ginecológicos, estresse, crenças religiosas e falta de conhecimento sobre o orgasmo, entre outros. Porém, fatores psicológicos geralmente estão fortemente associados à anorgasmia. Muitas mulheres que acreditam ter problemas físicos podem, na verdade, simplesmente não ter conhecimento suficiente ou não conseguirem se permitir sentir o prazer máximo.

O conhecimento do próprio corpo, da genitália e dos músculos do assoalho pélvico, bem como do ciclo de resposta sexual, são ferramentas poderosas para permitir que o orgasmo seja vivido plenamente.

Nós, do Universo+, desejamos tornar nossas estrelas cada vez mais potentes e autoconfiantes. Por isso, promovemos ações que estimulam o aprendizado, o autoconhecimento e o diálogo aberto, livre de preconceitos e amarras. Assim, torcemos para que vocês possam sentir esse prazer sempre que desejarem, de forma plena e sem limites.